WEBINAR GRATUITO

Saiba como criar um caso de negócio para a monitorização do estado das suas bombas submersas.

Manutenção baseada na condição: O guia de 5 passos

Índice

Os cinco passos seguintes ajudá-lo-ão a determinar se a manutenção baseada nas condições é adequada para a sua organização, qual o tipo de manutenção de que necessita e o que deve ter em atenção durante a implementação.

Recapitulação: O que é a manutenção baseada em condições

Tal como o nome sugere, a manutenção baseada nas condições implica efetuar a manutenção com base nas condições do ativo. As organizações monitorizam ativamente o estado de cada equipamento, recolhendo dados em tempo real através de sensores. A inteligência artificial (IA) é então utilizada para interpretar esses dados e determinar quando é provável que o ativo se parta ou falhe. Munido desta informação, o pessoal de manutenção pode programar a manutenção muito antes de o ativo falhar, maximizando o tempo de produção.

Passo 1. Escolher os activos certos

A primeira etapa consiste em determinar quais os activos mais adequados para a manutenção baseada no estado, uma vez que nem todos os activos são adequados. Por exemplo, um ativo não crítico em que um componente pode ser substituído rapidamente pode ser mais bem servido por uma estratégia de manutenção diferente (como a manutenção correctiva).



Para começar, escolha um conjunto de activos para os quais seja bastante fácil obter rapidamente resultados positivos. Quanto maior for o número desses activos que conseguir identificar e monitorizar, maior será o resultado positivo. Isto ajudará a aumentar a confiança na manutenção baseada nas condições dentro da sua organização.

Passo 2. Medir, medir, medir

Depois de decidir quais os activos adequados, é necessário determinar como irá medir o estado desses activos. Como referido anteriormente, a manutenção baseada no estado requer a utilização de sensores, que podem medir uma variedade de parâmetros, incluindo temperatura, vibrações, teor de CO2 e eletricidade.

Dois dos tipos de sensores mais utilizados são os sensores de vibração e de corrente, que diferem em termos de aplicação e eficácia. Por exemplo, os sensores de corrente podem detetar tanto problemas mecânicos como eléctricos, enquanto os sensores de vibração se limitam principalmente ao aspeto mecânico.

Uma outra diferença significativa entre estes dois tipos de sensores é que os sensores de vibração têm de ser colocados diretamente no ativo no terreno, enquanto os sensores de corrente podem monitorizar o equipamento a partir do armário de controlo do motor. Esta última opção é bastante atractiva para muitas organizações, uma vez que os sensores no terreno podem estar sujeitos a uma variedade de condições; por exemplo, temperaturas extremamente altas ou baixas, que podem fazer com que os sensores falhem ou forneçam dados pouco fiáveis. Os módulos de sensores instalados no interior do armário de controlo do motor estão localizados numa sala temperada e seca - condições ideais para recolher dados fiáveis. Para saber mais sobre as diferenças entre estes dois tipos de sensores, clique aqui.

Passo 3. Escolher o modelo de negócio correto

Para além da escolha dos activos e das ferramentas, o modelo de negócio subjacente é um fator importante a considerar. Existem normalmente duas opções distintas: uma taxa única ou um modelo de subscrição.

A desvantagem mais significativa do modelo de compra única é que o cliente provavelmente não receberá futuras actualizações do produto (a menos que pague por elas). Num domínio em rápido crescimento como o monitorização do estadoQuando a tecnologia está constantemente a melhorar, o acesso restrito a futuros melhoramentos de produtos pode prejudicar gravemente a sua capacidade de estabelecer uma vantagem competitiva. Por outro lado, um modelo de subscrição permite normalmente atualizar os produtos sem custos adicionais, ajudando a sua empresa a manter-se competitiva.

Os modelos de subscrição também requerem normalmente um investimento a curto prazo menor do que as compras únicas, o que, por sua vez, facilita o arranque do seu projeto de manutenção baseada nas condições.

Passo 4. Criar apoio dentro da organização

A implementação da manutenção baseada nas condições pode exigir algumas mudanças na forma como a sua equipa funciona. É por isso que é importante gerar apoio para o seu projeto por parte de todos os envolvidos. É importante mostrar como a tecnologia beneficiará diretamente os KPIs de cada parte interessada. Por exemplo, ao falar com o:

  • O gestor de manutenção deve salientar o facto de que a passagem de um sistema de manutenção preventiva para um sistema baseado nas condições permitirá, em última análise, uma utilização mais eficiente dos recursos de manutenção. Em vez de programar a manutenção de forma preventiva, o que muitas vezes resulta na substituição desnecessária de activos perfeitamente funcionais, os sistemas de manutenção baseados na condição dão às equipas uma visão antecipada dos activos que estão a desenvolver falhas (e mesmo quais são essas falhas). Isto permite às equipas de manutenção concentrarem-se na reparação/substituição de activos defeituosos, em vez de substituírem activos saudáveis.
  • O gestor de produção explica como é que a manutenção baseada nas condições reduzirá o número de paragens, o que, por sua vez, ajudará a organização a cumprir consistentemente os objectivos de produção.
  • O responsável pela saúde e segurança salienta o facto de que, se a equipa de manutenção tiver os conhecimentos necessários para reparar/substituir activos defeituosos muito antes de estes se avariarem, podem ser evitadas situações potencialmente perigosas. Por exemplo, se uma bomba que transporta águas residuais perigosas se avariar, pode tornar-se uma ameaça para a segurança dos funcionários.
  • O gestor de inovação deve identificar a forma como o sistema utiliza tecnologia de ponta que contribuirá para a transformação digital da organização. Alguns sistemas (como o SAM4) também utilizam os dados da máquina adquiridos para ajudar as equipas de manutenção a detetar e corrigir activos que estão a funcionar de forma ineficiente, ajudando assim a melhorar a sustentabilidade da organização - o que é um KPI importante para os gestores de inovação.

Passo 5. Começar a trabalhar

Implementação

A manutenção baseada na condição proporciona vários benefícios a uma série de diferentes intervenientes e é importante apoiá-la com resultados claros. Um período de implementação atrasado ou prolongado pode dificultar a apresentação de uma imagem positiva do seu projeto. Através de uma implementação rápida e eficaz, pode manter o entusiasmo pelo projeto num nível elevado, ao mesmo tempo que recolhe rapidamente provas de que o projeto tem um ROI positivo. Por isso, certifique-se de que trabalha em estreita colaboração com o fornecedor de tecnologia para garantir uma implementação sem problemas.

E não espere demasiado tempo para assinar na linha pontilhada; não investir atempadamente na manutenção baseada nas condições pode deixar a sua organização em desvantagem. Um número de 20-40% de engenheiros de manutenção reformar-se-á nos próximos cinco anos, e a oferta de novos talentos não consegue acompanhar a procura. Assim, todas as ferramentas que possam ajudar os seus profissionais de manutenção a utilizar os seus conhecimentos de forma mais eficiente, ajudá-lo-ão a preparar-se para o futuro.

Revisão e aumento de escala

Ao fim de 6 meses a um ano, deverá ter uma imagem clara dos activos da sua organização que beneficiam de uma estratégia de manutenção baseada nas condições (e ter uma lista de sucessos para o apoiar). Nesta altura, vale a pena examinar onde existem activos e processos semelhantes na sua organização, com vista a aumentar a sua implementação e a aumentar o valor em toda a organização.

Saiba mais sobre a tecnologia subjacente à manutenção baseada nas condições

Descarregue o guia de comparação de tecnologias de monitorização de condições abaixo. O guia contém:

  • a evolução histórica e o funcionamento interno das sociedades populares técnicas de controlo do estado
  • como cada técnica se comporta em termos de tecnologia de sensores, localização dos sensores (incluindo o desempenho em ambientes adversos), deteção de falhas (incluindo tipos de falhas e tempos de aviso de falha) e conhecimentos sobre energia e desempenho
  • as principais diferenças entre cada técnica, apresentadas num prático quadro-resumo de referência rápida

 

Preencha o formulário para descarregar o guia.


Mais de 30.000 profissionais de empresas industriais recebem os nossos conhecimentos e melhores práticas mensalmente ou trimestralmente.

Selecionar a lista para ver.